-->

Lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA)

O ligamento cruzado anterior (LCA) é o ligamento mais comumente lesado nos joelhos.

A lesão normalmente ocorre durante prática esportiva, através de um trauma torcional do joelho.

 

O que eu sinto se rompi meu LCA?

 

Imediatamente após o trauma que lesa o LCA, normalmente, ocorre um aumento de volume do joelho associado a dor e algum grau de instabilidade do joelho (falseio).

Passada a fase aguda (primeiros 7-14 dias), a sensação de instabilidade se torna mais evidente e a musculatura da coxa começa a apresentar atrofia reflexa.

O paciente costuma sentir limitação para realizar atividades que envolvam rotação do joelho, como jogar futebol, basquete, esquiar, surfar, andar de skate.

 

Diagnóstico da lesão do LCA

 

O diagnóstico se baseia na tríade: queixa do paciente + exame físico realizado pelo cirurgião do joelho + exames de imagem (radiografias + ressonância magnética).

O exame físico revela uma instabilidade anterior do joelho. Além disso, o exame físico avalia a presença de aumento de volume do joelho e o alinhamento do mesmo.

A radiografia costuma ser útil apenas para descartar a possibilidade de fraturas ao redor do joelho.

A ressonância magnética é o exame de maior relevância para diagnóstico da lesão do LCA e de lesões associadas.

 

Lesões associadas

 

As lesões associadas mais comuns na lesão do LCA são: as lesões meniscais e as lesões condrais (cartilagem).

O menisco mais comumente lesado no trauma inicial é o lateral (externo).

As lesões de cartilagem mais comuns são conhecidas como Bone Bruises (do inglês; que são lesões osteocondrais por impacção).

 

O LCA regenera?

 

Não. Estudos demonstram que o ligamento cruzado anterior que apresentou ruptura completa permanecerá insuficiente se não reconstruído.

 

Tratamento da lesão do LCA

 

Tipicamente as lesões do ligamento cruzado são tratadas de forma cirúrgica, através da reconstrução do mesmo. São usados tendões de outras partes do corpo, que irão substituir o ligamento cruzado rompido.

O momento ideal para a reconstrução do LCA é o mais breve possível, desde que passada a fase inflamatória inicial e que o movimento do joelho seja completo (extensão e flexão).

Em lesões parciais do LCA, desde que não haja instabilidade significativa do joelho, pode-se tratar de forma conservadora a lesão do LCA.

Em pacientes com lesão completa do LCA, mas com baixa demanda e dispostos a ter uma vida mais sedentária, também pode ser tentado o tratamento conservador. Mas essa é uma conduta de exceção na prática do dia-a-dia.

 

Lesão crônica do LCA. O que acontece se eu não trato a lesão LCA?

 

Idealmente as lesões do LCA devem ser tratadas dentro de 1-3 meses da lesão inicial.

No entanto é muito comum no consultório nos depararmos com lesões que ocorreram há mais de 6 meses. Nessa situação, chamada de joelho em risco, ocorrerá uma série de alterações biomecânicas que costumar culminar em lesão meniscal degenerativa, lesão condral (cartilagem) e até alteração de eixo do joelho (desalinhamento do joelho; tipicamente joelho varo). Além disso existem estudos que demonstram maior incidência de osteoartrose dos joelhos em paciente não tratados de lesão de LCA.

 

Recuperação após a cirurgia e retorno ao esporte

 

Essa é uma das perguntas mais comuns no consultório.

Trata-se de um procedimento cirúrgico realizado através de artroscopia (video) e portanto as incisões costumar ser diminutas,  tornando a recuperação mais rápida.

E sim! A reconstrução do LCA visa retorno ao esporte, mesmo em níveis competitivos (após reabilitação fisioterápica adequada)